A castanheira é uma árvore imensa, com cerca de 50, 60 metros de altura na fase adulta e que chega a viver, em média, 500 anos. Durante a safra, que geralmente dura 6 meses, uma única árvore é capaz de produzir cerca de 25 kg de castanha.


Atualmente, a castanheira é protegia por lei e o seu corte é proibido. No entanto, infelizmente, é comum a fiscalização ambiental encontrar madeireiros que fazem desmatamento ilegal para comercializar toras dessa espécie.


E é bem diante desse cenário que surge o Projeto Amazônia, para provar que a Floresta, em pé, vale e rende muito mais do que derrubada.


Na última década, o m³ de madeira da castanheira foi comercializado (ilegalmente) por R$ 300,00, em média. Uma única árvore adulta pode fornecer 60 m³, o que significa um valor comercial de R$ 18.000,00.


Por assim ser, a cobiça desenfreada de madeireiros ilegais está levando essa árvore ­ generosa e vital apara a Floresta, inclusive com castanhas ricas em benefícios para a saúde humana a ser considerada como uma espécie que corre risco de extinção. Medidas urgentes, de curto e de longo curso, são essenciais para evitar a tragédia anunciada.


Uma castanheira vive, em média, 500 anos. E já foram identificadas árvores com mais de 800 anos de idade. Considerando apenas o primeiro centenário de sua existência e, também, que a castanheira começa a produzir quanto atinge em torno de 10 anos, temos 90 anos de produção. Ela produz cerca de 25 kg de castanha por safra que, sendo comercializados pelo valor médio atual de R$ 90,00 por quilo pelo consumidor final, resultará num valor econômico de, aproximadamente, R$ 225.000,00. E a castanheira ainda deve produzir cerca de quatro vezes esse valor nos quatro séculos seguintes!


O Brasil, que entre o século XIX e XX, era o exportador mundial absoluto de castanhas-do-Brasil (castanha-do-pará), agora já foi superado pela Bolívia. E, nossa produção vem decaindo ano após ano, comprometendo a vida de milhares de famílias da região que dependem de sua extração para sobreviverem.


É um círculo vicioso que, com a sua ajuda, teremos condições de combater! Somente com ações contínuas e sistemáticas com a participação das comunidades ribeirinhas e indígenas, como propomos, conseguiremos reverter esse quadro.


E, como forma de solucionar essa questão, te convidamos a conhecer o Projeto Mineruá, a primeira ação de preservação ambiental e rentabilização sustentável realizada pelo amaZônia.